Discriminação e Barreiras ao Acesso ao Serviço Nacional de Saúde Percecionados por Pessoas Trans

  • João Rodrigues Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Universidade do Porto. Porto, Portugal
  • Carolina Lemos Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Universidade do Porto. Porto, Portugal; UnIGENe, IBMC ‑ Instituto de Investigação e Inovação em Saúde, Universidade do Porto, Porto, Portugal. https://orcid.org/0000-0001-9803-9584
  • Zélia Figueiredo Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Universidade do Porto. Porto, Portugal; Unidade de Consulta Externa – Consulta de Sexologia. Hospital Magalhães Lemos, Porto, Portugal
Palavras-chave: Acesso aos Serviços de Saúde, Disparidades em Assistência à Saúde, Pessoas Transgénero

Resumo

Introdução: A população trans, que necessita de tratamentos médicos, cirúrgicos e psicológicos específicos pela sua condição, é confrontada com discriminação, preconceito e estigma, na procura de serviços de saúde, que limitam o seu acesso. Este estudo pretende avaliar barreiras no acesso à saúde, por esta população, em três ambientes distintos do Serviço Nacional de Saúde (urgência, medicina geral e familiar e cirurgia).

Material e Métodos: Realizou‑se um estudo transversal, não controlado, com recurso a entrevista a 71 pessoas trans, após consulta de Sexologia. Um modelo de entrevista foi elaborado pelos autores, adaptando questões do Trans Pulse Project e do 2015 US Transgender Survey.

Resultados: Metade dos trans que recorreram aos três contextos estudados percecionaram discriminação por um profissional de saúde. O uso de linguagem preconceituosa foi o episódio de perceção de discriminação mais frequente e o serviço de urgência o local onde ocorreu com mais frequência. Encontramos relação entre episódios de perceção de discriminação em medicina geral e familiar, com o desconforto sentido em abordar saúde trans com o médico de família.

Discussão: A discriminação percecionada por pessoas trans foi semelhante à verificada na literatura, em contexto de urgência e medicina geral e familiar. O incumprimento e desconhecimento de guidelines de boas práticas clínicas, por profissionais de saúde, à semelhança da literatura, podem constituir barreiras de acesso a cuidados de saúde, na população estudada.

Conclusão: Verificamos que existe a necessidade de estudar, a nível nacional, o impacto da discriminação na população trans, bem como de avaliar e promover a formação de profissionais de saúde nesta área.

Downloads

Dados de downloads ainda não estão disponíveis.

Referências

World Professional Association for Transgender Health (WPATH). Standards of Care for the Health of Transsexual, Transgender, and Gender Nonconforming People (7th version). 2009:120. Doi: 10.1080/15532739.2011.700873

Oliveira A, Vilaça A, Gonçalves D. Da transexualidade à disforia de género: protocolo de abordagem e orientação nos cuidados de saúde primários. Rev Port Med Geral Fam. 2019; 35: 210‑22. doi: 10.32385/rpmgf.v35i3.12105

Winter S, Diamond M, Green J, Karasic D, Reed T, Whittle S, et al. Transgender people: Health at the margins of society. Lancet. 2016; 388:390–400. doi: 10.1016/S0140‑6736(16)00683‑8

Vance S, Ehrensaft D, Rosenthal S. Psychological and medical care of gender nonconforming youth. Pediatrics. 2014;134:1184‑92. doi: 10.1542/peds.2014‑0772

Association AP. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais: DSM‑5. Lisboa: Artmed Editora LTDA; 2014.

Association AP. Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais: DSM‑IV‑TR. Lisboa: CLIMEPSI – Sociedade Médico‑Psicológica, Lda; 2002.

World Health Organization. . International statistical classification of diseases and related health problems. 10th rev, 5th ed. Washington: WHO; 2016.

World Health Organization. International classification of diseases for mortality and morbidity statistics (11th Revision). 2018 [cited 2020 Jun 10] Available from: https://icd.who.int/browse11/l‑m/en

Vermeir E, Jackson LA, Marshall EG. Barriers to primary and emergency healthcare for trans adults. Cult Health Sex. 2018; 20:232–46. doi: 10.1080/13691058.2017.1338757

Dean L, Meyer I, Robinson K, Sell R, Sember R, Silenzio V, et al. Lesbian, Gay, Bisexual, and Transgender Health: Findings and Concerns. J Gay Lesbian Med Assoc. 2000;4:102–51. doi: 10.1023/A:1009573800168

Safer JD, Coleman E, Feldman J, Garofalo R, Hembree W, Radix A, Sevelius J. Barriers to healthcare for transgender individuals. Curr Opin Endocrinol Diabetes Obes. 2016; 23:168‑71. doi: 10.1097/MED.000000000000022

Operario D, Nemoto T. HIV in transgender communities: syndemic dynamics and a need for multicomponent interventions. J Acquir Immune Defic Syndr. 2010; 55 :91‑3. doi: 10.1097/QAI.0b013e3181fbc9ec

Bauer GR, Hammond R, Travers R, Kaay M, Hohenadel KM, Boyce M. “I don’t think this is theoretical; this is our lives”: how erasure impacts health care for transgender people. J Assoc Nurses AIDS Care. 2009;20:348–61. doi: 10.1016/j.jana.2009.07.004

Bauer G, Zong X, Scheim A, Hammond R, Thind A. Factors Impacting Transgender Patients’ Discomfort with Their Family Physicians: A Respondent‑Driven Sampling Survey. PLoS ONE. 2015; 10. doi: 10.1371/journal.pone.0145046

Alvarez L. Guidelines to Human Rights‑Based Trans‑Specific Healthcare. Transgender Europe [Internet]. 2019 [cited 2020 Jun 10]. Available from: https://tgeu.org/guidelines‑to‑human‑rights‑based‑trans‑specific‑healthcare/

Código deontológico da Ordem dos Médicos. Ordem dos Médicos [Internet]. 1985;:2‑22 [cited 2020 Jun 10]. Available from: http://ordemdosmedicos.pt/revista‑da‑ordem‑dos‑medicos/1985‑2/marco‑1985/

Transpulseproject.ca/. The Trans PULSE Project (Ontario). 2009 [cited 2019 Out 20]. Available from: http://transpulseproject.ca/resources/trans‑pulse‑survey/

James S, Herman J, Rankin S, Keisling M, Mottet L, Anafi M. The Report of the 2015 U.S. Transgender Survey. 2016 Washington, DC: National Center for Transgender Equality. [cited 2019 Out 20]. Available from: https://transequality.org/issues/us‑trans‑survey

Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde (DSPDPS), Núcleo sobre Género e Equidade em Saúde. Estratégia de Saúde para as pessoas Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexo‑LGBTI. 2019. Direção‑Geral da Saúde. [cited

Jun 10]. Available from: https://www.dgs.pt/documentos‑e‑publicacoes/estrategia‑de‑saude‑para‑as‑pessoas‑lesbicas‑gays‑bissexuais‑trans‑e‑intersexo‑lgbti‑pdf.aspx

Bauer GR, Scheim AI, Deutsch MB, Massarella C. Reported emergency department avoidance, use, and experiences of transgender persons in Ontario, Canada: results from a respondent‑driven sampling survey. Ann Emerg Med. 2014;63:713–20.e1. doi: 10.1016/j.annemergmed.2013.09.027

Chisolm‑Straker M, Willging C, Daul AD, Mc‑Namara S, Shattuck D, Crandall C. Transgender and Gender‑Nonconforming

Patients in the Emergency Department: What Physicians Know, Think, and Do. Ann Emerg Med. 2018; 71:183–8. doi: 10.1016/j.annemergmed.2017.09.042

Publicado
2020-12-30
Como Citar
Rodrigues, J., Lemos, C., & Figueiredo, Z. (2020). Discriminação e Barreiras ao Acesso ao Serviço Nacional de Saúde Percecionados por Pessoas Trans. Revista Portuguesa De Psiquiatria E Saúde Mental, 6(3), 98-108. https://doi.org/10.51338/rppsm.2020.v6.i3.152
Secção
Artigo Original