Adesão à terapêutica nos doentes com esquizofrenia: uma revisão da literatura

Nelson Descalço, Pedro Afonso

Resumo



Resumo: Introdução: Avaliar a adesão ao tratamento com agentes antipsicóticos em doentes com esquizofrenia é um desafio para qualquer médico psiquiatra, dada a subjetividade inerente ao tema. Apesar disso, a falta de adesão à terapêutica é prejudicial para o curso clínico da doença, resultando num risco aumentado de agudizações da doença e de internamentos hospitalares. O objetivo do presente estudo é rever a literatura corrente relativa aos fatores que influenciam a adesão ao tratamento antipsicótico em doentes com esquizofrenia.
Métodos: Foi revista a literatura escrita em inglês entre 2006 e 2016 integralmente disponível no PubMed/MEDLINE que avaliasse potenciais fatores de risco para a adesão ao tratamento em doentes adultos (com mais de 18 anos) com esquizofrenia,
através das palavras-chave: adherence, nonadherence, compliance, noncompliance, schizophrenia, psychosis, antipsychotic, neuroleptic.
Resultados: Foram incluídos 39 estudos na revisão final. A média dos níveis de adesão ao tratamento foi de 32%. Foram identificados os seguintes fatores de risco para a falta de adesão ao tratamento: idade jovem, abuso de substâncias, psicopatologia
psicótica presente, ausência de insight sobre a doença e a necessidade de tratamento, atitudes negativas perante o tratamento, relação médico-doente de má qualidade ou falta de apoio social e familiar.
Conclusões: As intervenções direcionadas para melhorar a adesão à terapêutica devem ser individualizadas para cada doente, baseadas numa história clínica completa, para que todos os aspetos individuais que contribuam para esta variável possam ser convenientemente avaliados.

Palavras-Chave


adesão à terapêutica; antipsicóticos; psicose; esquizofrenia.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Apontadores

  • Não há apontadores.


Logotipo Sociedade
Logotipo Cast
Desenvolvido por
Logotipo Principia
Produção editorial